Toyota eleva previsão de lucro à medida que as vendas de híbridos disparam

David Keohane

As vendas crescentes de carros híbridos ajudaram a Toyota a superar as estimativas no terceiro trimestre, à medida que a maior montadora do mundo elevou as previsões de lucro anual e forneceu uma maior justificativa para sua aposta na tecnologia.

A empresa japonesa aumentou sua previsão de lucro operacional para o ano fiscal até março para ¥4,9 trilhões (cerca de R$ 168,63 bilhões) de ¥4,5 trilhões e afirmou que o lucro no terceiro trimestre fiscal atingiu ¥1,7 trilhão, um aumento em relação a ¥957 bilhões no ano anterior. Os resultados superaram as expectativas dos analistas, de acordo com dados da LSEG, e fizeram com que suas ações subissem 4,8% no fechamento em Tóquio.

A montadora afirmou que o aumento se deve principalmente “aos esforços de marketing, à medida que o volume de vendas aumentou em todas as regiões”, especialmente para veículos híbridos elétricos de margem mais alta, enquanto o iene fraco proporcionou um benefício adicional.

“Em todas as regiões, a participação das vendas de híbridos aumentou, então, como uma solução realista, os híbridos ainda são preferidos pelos nossos clientes”, disse o diretor financeiro da Toyota, Yoichi Miyazaki, aos jornalistas.

“No ano passado, os veículos híbridos venderam de 3,4 milhões a 3,5 milhões de unidades. Em 2022, acredito que tenha ficado em cerca de 2,6 milhões. Portanto, dentro do ano, houve um aumento de um pouco menos de 1 milhão na demanda por híbridos globalmente. E acredito que a demanda deva atingir 5 milhões de unidades por volta de 2025”, disse ele.

No terceiro trimestre, as vendas de híbridos aumentaram 47% em relação ao ano anterior, totalizando 951.000, enquanto as vendas totais de veículos subiram 10%.

As vendas animadoras de veículos híbridos elétricos contrariam as preocupações de alguns analistas de que a Toyota não está avançando rápido o suficiente em direção aos veículos elétricos a bateria (BEVs). A empresa planeja vender 3,5 milhões de BEVs anualmente a partir de 2030, mas vendeu apenas 104.000 BEVs no ano calendário de 2023.

O aumento na demanda por híbridos “justifica sua aposta na tecnologia. No entanto, o risco é que, se a demanda por VE aumentar rapidamente, por exemplo, por meio da produção em massa, a Toyota pode não estar pronta para aproveitar. Mas claramente, a Toyota está em uma posição favorável agora”, disse James Hong, analista automotivo da Macquarie.

“Muitos fabricantes de equipamentos originais, como a GM, estão fazendo a mesma aposta em híbridos agora, à medida que o crescimento de BEVs diminui e as metas de CO₂ dos reguladores permanecem em vigor”, disse Thomas Besson, chefe de pesquisa automotiva da Kepler Cheuvreux.

O grupo Toyota – que manteve seu título de maior montadora do mundo no ano passado, vendendo um recorde de 11,2 milhões de veículos de passageiros, incluindo suas subsidiárias – há muito tempo está comprometido com “uma abordagem de múltiplos caminhos” que depende de uma ampla variedade de carros sendo vendidos em mais de 170 países, onde os BEVs permanecerão inacessíveis por muitos anos.

No mês passado, seu presidente, Akio Toyoda, disse que via a penetração de BEVs atingindo 30% e que o nível de adoção era “algo que os clientes e o mercado decidirão, não as regulamentações ou o poder político”. Os 70% restantes dos veículos seriam híbridos, movidos a hidrogênio ou teriam motores a gasolina tradicionais, acrescentou.

Atualmente, a Toyota está enfrentando uma série de escândalos de dados em algumas de suas afiliadas mais próximas, incluindo a Daihatsu, o que levou a uma ligeira redução nas estimativas de vendas para o Japão.

Toyoda disse na semana passada que ele pessoalmente “tomaria medidas” e participaria das reuniões anuais das afiliadas neste verão, onde as julgaria com base nas ações que tomaram. O grupo também examinaria o ritmo de novos projetos e desenvolvimento à luz dos escândalos, alguns dos quais foram causados por pressão excessiva sobre as afiliadas.

Fonte: Folha de S.Paulo.

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Você precisa estar logado para ter acesso a este conteúdo

Já é assinante?

Ou Cadastre-se